Pages

terça-feira, 29 de abril de 2008

Para não ficar "pra titia"

Falando em solteirice, vale relatar o grande evento do meu final de semana... sábado fui ao casamento de um amigo de escola. Momento ímpar!
A pouco mais de um mês recebi um e-mail dele divulgando o casório e pedindo o endereço de todos da turma para que os convites fossem entregues.
Todos nós, amigos, esperamos um bocado por esse momento e quando li o e-mail, a reação foi instantânea: “Finalmente! Parou de enrolar a moça!”, afinal foram 12 anos de namoro. Isso mesmo – 12 ANOS!
De namoro longo falo com bastante propriedade (mas esse assunto guardo para um próximo post - rsrsrs).
Fato é que o evento em si me fez lembrar um texto que li no Bolsa de Mulher...

Para não ficar “pra titia
Você tem 30 anos e está solteira? Creia, não há nenhum problema nisso
Por Edna Fagundes • 17/10/2006

Independentemente da época e do lugar, até onde pude pesquisar, sempre foi mal visto ficar solteira depois de uma certa idade. Esse limite, pasmem, já foi 15,16 anos. Ao longo do tempo, os hábitos e costumes relacionados ao casamento foram mudando e todos têm ou conhecem aquela velha tia solteirona, sempre vista como a que fracassou, a que ninguém quis, a que sobrou. Geralmente dedicada aos sobrinhos, parece não ter vida própria. Não ter casado a condena a uma vida esvaziada de propósitos e alegrias. Em outras palavras, o homem, a grande salvação, traria a felicidade e a razão de sua existência e felicidade pessoal. Às não escolhidas cabia apenas assumir uma posição de resignação e lamento frente ao fato.
Os tempos mudaram e muito. A independência financeira jogou o casamento para bem mais tarde. A liberdade sexual favoreceu a ausência de pressa, já que o sexo não precisa mais do cumprimento dessa formalidade. A independência emocional e financeira da mulher de hoje não tem sequer comparativo com a das mulheres de algumas décadas atrás. Mas o que parece inalterado é o sentimento de fracasso quando se chega aos 30 anos e se está solteira, sem nenhuma perspectiva à vista. Nesse momento, o sofrimento vence a barreira do tempo e tenho visto com frequência lindas jovens sofrendo como suas "fracassadas "antecessoras.

“É sempre hora de fazermos revisões sobre como estamos pensando, percebendo e reagindo à vida”

A despeito de toda a modernidade, já virou clichê julgar que uma mulher perto dos trinta (para mais ou para menos) está louca para se casar e firmar compromisso. Alguns homens confessam que temem relacionamentos com mulheres nessa faixa de idade, onde comumente se sentem pressionados e cobrados de uma forma exagerada. Para complicar ainda mais, temos o famoso relógio biológico gritando a passagem do tempo ideal da fertilidade. Existe uma tendência em idealizar a vida de todas as amigas que estão casadas ou namorando firme, como se elas fossem necessariamente felizes. Muitas vezes, quando questionam a qualidade de vida que estão tendo, percebem que estão vivendo plena e divertidamente, mas o medo de que nunca venham a se casar nubla completamente a possibilidade de entrega e curtição desse momento.
Frequentemente, sempre que nos deparamos com situações repetitivas indesejáveis, colocamos a culpa em algo ou alguém e investimos muito tempo buscando as causas na direção errada. Sina, destino, azar, praga, entre outros, costumam camuflar durante muito e precioso tempo, as verdadeiras razões para nossas dificuldades. Felizmente, em algum momento, podemos perceber que não somos necessariamente vítimas do que nos acontece, ou de como nossa vida está se desenrolando. Aí começamos a nos aproximar das verdadeiras possibilidades de solução. Se não sou vítima do que me acontece, isso significa que tenho alguma responsabilidade sobre isso. Logo, posso então tentar transformar e redirecionar o rumo das coisas. Tal percepção e conscientização podem proporcionar pequenas mudanças que certamente levarão a grandes transformações e, às vezes, até à reversão de tendências até agora presentes.
É sempre hora de fazermos revisões sobre como estamos pensando, percebendo e reagindo à vida. O sofrimento advém de conceitos e crenças que muitas vezes já nem fazem mais sentido para nós. A mudança de atitude gera sempre uma grande melhoria e um encontro com pedaços adormecidos e acomodados que podem ser acordados, ganhando vida. No fundo o que todos queremos é nos sentirmos vivos e felizes e, tenham certeza, isto não está necessariamente relacionado a estarmos sozinhos ou acompanhados, vivendo relações estáveis ou fugazes, solteiros ou casados.

2 comentários:

Lola disse...

Quero saber tudo sobre o evento. Me mande um email!! Beijocas

Gaby disse...

Oi Camila ando relapsa com meu blog que vi seu comentario ha pouco tempo.Brigada! Tb adoro sou blog, sou uma das caladinhas que frequenta aqui sempre viu? Bjs